A MELHOR ESCOLA DO MUNDO

Versão para impressão

Augusto é um menino, sua família quer distância da igreja. O pai é alcoólatra..

Convidado por um amigo para ir na EBD, aceita, gosta, convida os pais, estes recusam.

O tempo passa, Augusto muda o comportamento, passa a respeitar mais os pais, obedecê-los, estudar... 

 

1- Augusto 2- Terezinha 3 – Lúcio 4 – Vera 5 – Dayara (criança) 6 -Terezinha (idosa) 7 - Narrador

 
Cena I
Augusto- Mamãe o que é Escola Dominical?
Terezinha – Escola Dominical filho, é onde um monte de crente se junta, pra ficar falando bobeira e ficar dando dinheiro para o Pastor.
Augusto- um amigo me chamou para eu ir lá, ele falou que é legal, vai ter uma comemoração especial do dia da EBD , vai ter comida e muita coisa legal, a senhora me leva?
Terezinha - Levar? Eu posso até te levar, mais eu não fico lá não, só essa que me faltava agora!
Augusto - Tudo bem velha coroca.
 
Cena II
Narrador
Passaram meses e lá estava Augusto, todo domingo levantava cedo e dizia que estava indo para escolinha do tio Gulu, pegava a revistinha e saia correndo.
Mas nem tudo eram mil maravilhas e Augusto tinha um grande problema em casa.
 
Lucio(bêbado) Moleque... Cadê esse moleque já foi pra essa tal de Escola Dominical ou escolinha do tio Gulu, seja oque for, vai tomar uma surra de chicote quando chegar em casa.
Terezinha – Calma Jorge ele só...(e é interrompida por Jorge)
Lúcio - Cala a boca ..(e da um tapa na cara dela)
Terezinha – Calma Jorge, ele só foi se divertir um pouco, você acha que ele vai levar esse negocio de crente a frente? Não vai não...(pausa). Eu estou cansada dessa vida, de você, de fica brigando, estou cansada de tudo às vezes da vontade morrer.
Lúcio - Eu vou pra rua, vou beber pra ver se esqueço essa vida que parece um inferno dentro dessa casa.
 
(Jorge sai de cena e entra Vera )
 
Vera – Terezinha você ouviu falar o que aconteceu com o nosso vizinho da frente ?
Terezinha - Nossa que babado hein ???. E o vizinho do lado? Comprou um carrão!!!
Vera – Só pode estar fazendo algo errado, vendendo droga ou roubando. Eu até tentei saber.
Terezinha - Mas como? Você foi lá na casa dele?
Vera – Não, só dei uma espiadinha por cima do muro.
Terezinha – Nossa, mais ele é um gato, né?
Vera – Há se eu tivesse chance, largaria meu marido. A mulher dele é que tem sorte. Nossa que inveja! O papo está bom, mas eu vou indo, amanhã eu passo aqui pra gente conversar mais.
Terezinha – Passa mesmo,
Vera- E não fala isso que eu te falei pra ninguém não, eu só falei pra Maria, pra Jurema, pra Florentina, pra Juraci...
Terezinha - Pode deixar amiga, você sabe que minha boca é um tumulo né?
Vera – A minha também, mas vou indo tá. Até amanhã.
Terezinha - Até amanhã.
 
Cena III
 
Augusto – Mãe, pai, vamos á Escola Bíblica Dominical? Vou apresentar uma peça de teatro com meus amiguinhos.
Lúcio – Deixa disso moleque, teatro é coisa de marica. E você sabe sábado é dia de eu tomar umazinha e domingo sempre estou meio indisposto.
Augusto- E você mamãe?
Terezinha – Me esquece menino, eu não tenho tempo, tem roupa pra lavar, casa pra limpar e ainda tenho de fazer almoço.
Augusto- Pai, é só o Senhor não beber, e mãe lava a roupa no sábado e o almoço faz quando chegar.
(os dois ficam olhando para ele com cara feia)
Terezinha / Lúcio – Cala boca moleque.
(os três ficam no cenário paralisados enquanto o narrador fala)
 
Cena IV
 
Narrador.
O tempo vai passando e Augusto sempre insistindo : Pai , mãe, vamos a Escola Dominical... Porém sempre sem sucesso, sempre eles davam a mesma desculpa. Até que certa vez:
Lúcio – Augusto vem cá. O que você esta fazendo moleque?
Augusto- Estou estudando pai.
Lúcio / Terezinha – Estudando? Como assim? (assustados)
Terezinha – Você nunca gostou de estudar?
Augusto- O professor Gulu, da escolinha dominical, falou muito sobre agente estudar, não só os assuntos da escolinha mas também o que a professora nos passa. Ele falou sobre respeito com a família, com os colegas e devemos ter uma vida digna e ter o caráter igual ao de Jesus.
Lúcio – É moleque, você está certo, mas larga disso e vai na venda comprar um cigarro para mim.
Augusto- O cigarro além de ser pecado faz mal a saúde papai, mas se o senhor quer que eu compre então já estou indo. ( e sai de cena)
Terezinha – É, não sei não, esse menino está muito mudado.
Lúcio - Você fala e ele obedece sem reclamar, está estudando em casa, eu não o obrigo nem estudar na escola quanto mais em casa.
Terezinha – É, é essa tal de Escola Dominical, só pode!!!
Lúcio – Sabe uma coisa que nunca tinha sentido? As palavras dele me comoveu.
Terezinha – Talvez nós precisamos do mesmo remédio que ele tomou?
Lúcio - Acho que podemos tentar, se ele mudou, pode mudar agente também!
(Entra Augusto com o cigarro do pai)
Augusto – Toma pai o seu cigarro e o troco está aqui.
Lúcio - Você não vai catar o troco como fazia antes não?
Augusto – Não! Eu aprendi que isso é errado, mas se o senhor quiser me dar as moedinhas!!!
Lúcio –Toma as moedinhas e pode jogar o cigarro no lixo!!
Augusto – Vou comprar bala e da oferta na igreja e jogar o... lixo? (e sai sem entender pra jogar o cigarro no lixo)
Augusto – (volta, depois de jogar o cigarro no lixo) Sei que eu sempre chamo, mas Domingo é a comemoração do dia da Escola Bíblica e vai ter muita coisa legal, vocês não gostariam de ir?
Terezinha - Vamos sim filho, mas nós vamos ficar na mesma sala que você?
Augusto – Não classes homogêneas, separadas por faixa etária.
Terezinha - Homogênea?
Lúcio - Faixa etária?
Terezinha/Lúcio- Não entendi nada!!!!
(Augusto sai todo feliz e eles saem atrás dele)
 
Cena V
 
Dayara – Vovó Terezinha, eu estou fazendo um trabalho de comemoração do dia da Escola Bíblica, e eu tenho de responder uma questão.
Vovó (Terezinha idosa) – Fala minha neta qual questão?
Dayara – O que é escola bíblica para a senhora vovó?
Vovó (Terezinha idosa)– A EBD é onde aprendemos a dar valor às pessoas, a valorizar a família, aprendemos a viver uma vida com dignidade, com respeito, mansidão e aprendemos a viver como Jesus viveu. Na EBD, aprendemos todos os ensinos de Jesus Cristo e por isso eu falo que a EBD é a base da igreja, pois é nela que aprendemos a ser cristãos de verdade e por isso temos de agradecer e homenagear os tios e as tias que dedicam um pouco do seu tempo para ensinar, fortalecer e até restaurar famílias na Escola Bíblica Dominical.
Dayara – Vovó como a senhora começou a ir na Escola Bíblica ?
Vovó (Terezinha idosa) – É minha Dayara, isso aí é uma longa historia.
(E saem de cena)
 
Fim

 

 

Diversos: