MÃE EU TE AMO

Versão para impressão

Uma descontraída encenação de uma situação comum dos nossos dias: o breve esquecimento por parte dos filhos em relação aos dias das mães. Na peça, as personagens secundárias (os filhos) se lembram a tempo da data comemorativa e prestam uma homenagem à personagem principal (a mãe).

 

(PASSA UMA JOVEM SENHORA DE VASSOURA, AVENTAL E LENÇO NA CABEÇA - CANTAROLANDO E VARRENDO - SENTE DORES NAS COSTAS).

DONANA -. Quanto mais a gente limpa mais sujeira aparece! Quem é dona de casa entende perfeitamente o que eu digo. Bem, se for uma dona de casa prendada como eu! E olha que eu deixo essa casa brilhando, sem precisar jogar sujeira pra debaixo do tapete. (olha tímida a igreja, como se estivesse sendo filmada) É que sou limpinha! Eu me chamo Ana, mas pra todo mundo da redondeza é Donana. (mexendo nas unhas) Espia só! Se tiver precisando assim... de uma faxina, uma limpezinha na sua casa, não se acanhe não, tá? Pode falar comigo que eu ensino direitinho o caminho pra comprar uma boa vassoura, uma escova de roupa e bastante material de limpeza pra a senhora deixar sua casa limpinha, igualzinha a minha. Olha só, não precisar nem de academia mais. Vai queimar toda a gordura nos afazeres domésticos. (T) A minha ginástica é no tanque, na vassoura. Ah! E tem o sobe e desce da ladeira pra comprar mantimento fiado na mercearia do seu Joaquim. Compro na caderneta e pago certinho, todo dia cinco. (T) Não posso esquecer de falar dos meus filhos. São tão dedicados! Eles me ajudam arrumar a casa no dia das mães. (chateada) Uma vez no ano, mas ajudam, tá? (crítica) Tem filho que nem isso faz! (continua limpando e cantando).
MARQUINHO – Mãe, cadê a minha meia branca?
DONANA - (ao público) É o Marquinho, meu menino! (T) Tá na corda, acabando de secar.
MARQUINHO - Vou sair com ela, mãe!
DONANA - Mamãe vai secar no ferro já, já, filho.
MARQUINHO - Ela tava limpa, mãe!
DONANA - Duas semanas com a mesma meia e ainda diz que estava limpa! Saiu tanta água preta que parecia que eu tava lavando o coador de café! Esse menino tem cada uma!
MARQUINHO - Atchim! Ô mãe!
DONANA – Fala, coisa rica da mãe. O que foi dessa vez?
MARQUINHO - Eu tô espirrando!


DONANA - (igreja) Isso todos nós ouvimos!
MARQUINHO - Deve ser esse quarto empoeirado.
DONANA - Ah não, filho! Mas não é mesmo! A mamãe tirou todo o pó ontem à noite desse quarto. (com as mãos nas costas, fala à igreja) Tô quebrada! (alto) Deve ser perfume demais, não?
MARQUINHO - (entrando) Peguei no quarto da senhora.
DONANA - Meu perfume da Avon! (ele fica sem graça) Você pegou o “toque de amor’ ou “charisma”, filho?
MARQUINHO - Na dúvida em saber qual era o melhor, coloquei os dois. To indo nessa!
DONANA - Vai sair sem meia?
MARQUINHO - Esquenta não!

DONANA - Pode se resfriar filho.

MARQUINHO - Mãezinha do coração!
DONANA - (igreja) Pronto! Ele disse mãezinha do coração!
MARQUINHO - (coçando a cabeça) Tem dinheiro aí, mãezinha?!
DONANA - (varrendo) Tava demorando. (T) Ta em cima da geladeira, debaixo do pingüim. Cuidado pra não quebrar meu pingüim... É relíquia, filho! Pega cinco reais e não esquece do troco.
MARQUINHO - Mãe... (ela não responde). Ô mãe, responde!
DONANA - (irritada) Fala, filhinho da mamãe!
MARQUINHO - Alguém me ligou?
DONANA - (pausadamente) Alice, Beatriz, o Marcelo e... Esqueci.


MARQUINHO - Existe papel e caneta pra quê, mãe?!
DONANA - Pra escrever, né, filho?! (resmungando) Pra que eu ia querer....
MARQUINHO - Falando sozinha, mãe?
DONANA - É a idade, filho! (cantarolando)

(ENTRA MONIQUE)
MONIQUE – Parabéns, minha mãe!
DONANA – Obrigada, filha! (olhando em volta) Ta ficando limpinho, né, filha?!
MONIQUE - Não é pela limpeza, mãe!
DONANA – Ah, filha, obrigada! (beija a filha). Obrigada mesmo, mas o meu aniversário foi mês passado!
(ENTRA MARQUINHO)
MARQUINHO - Fala maninha!
MONIQUE – Marquinho, a mamãe tá limpando a casa hoje?
DONANA - Pelo cheirinho, o frango já está assado. Marquinho, você não vai sair agora. Espere o almoço. Depois a gente sai junto pro ensaio na igreja. (e sai)
MARQUINHO - Não entendi, Monique. Fala!
MONIQUE - (explica com clareza) Hoje é o dia das mães, logo, a mamãe não faz nada, não trabalha... A gente deveria ter ido almoçar fora. (nervosa) Eu vi a mamãe limpando a casa no dia das mães!
MARQUINHO - Lembrei cedo, mas a mamãe tava tão feliz na limpeza que eu não quis contrariar.
MONIQUE – Pensa, cabecinha!


MARQUINHO - Não tô a fim de pensar não!
MONIQUE- Não! A minha cabecinha. Pensa rápido... Legal! Vamos cantar uma música pra mamãe.
MARQUINHO - Cantar eu gosto, maninha!
MONIQUE - Fique quieto pra não estragar a surpresa! (ele sinaliza que sim, sacodindo os dedos empolgado) Mãe!
DONANA – Fala, minha lindinha!
MARQUINHO - (nervoso) Não, mãe! A senhora precisa vir até a sala, se não a surpresa não tem graça.
DONANA - O quê? Já to indo, bebezinho da mamãe!
MONIQUE - Fique quieto. Eu sabia!!

DONANA - Tá brigando com o Marquinho! O que acontece? (coloca um de frente para o outro) Menina, peça desculpa já! (tira a sandália do pé e ameaça a dar umas “chineladas”) Monique, peça desculpa pro Marquinho.
MONIQUE – Desculpa!
DONANA – Fale assim: “Desculpa, Marquinho”.
MONIQUE - Desculpa Marquinho.
DONANA - (autoritária) Sua vez, Marquinho.
MARQUINHO - (pausadamente) Desculpa, Monique. Assim, mãe?
DONANA - Foi rápido o meu menino! Eita menino inteligente da mamãe.
MONIQUE e MARQUINHO - (sorrindo) Mãe!
DONANA - (chateada, pega a sandália) Tá rindo da mãe. (olhando os dois) O que eu fiz de engraçado?
MONIQUE - A gente ama a senhora.


MARQUINHO - Ela ta falando a verdade mãe. A gente ama a senhora.
MARQUINHO e MONIQUE - Feliz dia das mães!
DONANA - Dia das mães! (T) Pensei que tivessem esquecido! Obrigada, meus amores. Eu amo muito vocês. Eu aqui triste por dentro, pensando...
MONIQUE - Senta aqui, mãezinha! (a colocam no centro)
DONANA - Sento!

(OS FILHOS CANTAM A MÚSICA “MÃE EU TE AMO” DE MARCELO NASCIMENTO. PODE SER UMA OUTRA MÚSICA)

PALAVRA FINAL

DESSA FORMA BEM DESCONTRAÍDA QUE O MINISTÉRIO DE TEATRO (OU GRUPO) RESOLVEU HOMENAGEAR TODAS AS MÃES DE NOSSA IGREJA E AQUELAS QUE NOS VISITAM. (T) QUE O SENHOR REALIZE O DESEJO DO CORAÇÃO DE CADA MAMÃE AQUI PRESENTE. (T) E AQUI VAI UM RECADO PARA VOCÊ QUE É FILHO: COMEMORE TODOS OS DIAS O DIA DAS MÃES. APROVEITE ENQUANTO ELA ESTÁ PERTO. QUEM NÃO TEM MAIS A SUA MÃEZINHA SABE DO QUE ESTOU FALANDO. AME COM GESTOS, ATITUDES E PALAVRAS. NÃO QUE ELA PEÇA ISSO. NÃO! MAS PORQUE ELA MERECE! SE A SUA MÃE NÃO ESTÁ COM VOCÊ AQUI NA IGREJA, DIGA NA PRIMEIRA OPORTUNIDADE “MÃE, EU TE AMO”. MAS SE ELA ESTIVER AQUI, FAÇA ISSO AGORA. MÃE, EU TE AMO!

 

Contato com o autor mipraide@yahoo.com.br

O Autor no Facebook: Gilmar Branco Oficial

Autores: 
Estilos: 
Diversos: