NOVA CRIATURA

Versão para impressão

Interessante encontro do EU com o VELHO-HOMEM e o NOVO-HOMEM.

Eles discutem, argumentam, o EU passa grandes dificuldades para ter uma real despedida do Velho.

O Novo se sente fraco, esquecido muitas vezes.

Tem no site também a peça NOVA CRIATURA  confira

 

PERSONAGENS:
“EU”
NOVO-HOMEM
VELHO-HOMEM

 

CENA I
CENÁRIO: Dois ambientes:
1 – Velha Vida: um lugar sombrio, com teias de aranha, objetos em tom fúnebre, um lugar sem vida que lembra um filme de terror.
2 – Nova Vida: um ambiente totalmente oposto ao da Velha Vida – cores vibrantes, flores, etc.
Esses dois ambientes podem estar em planos diferentes.
(Em cena “EU” na Velha Vida. Ele tem uma pá na mão. Está fazendo uma cova)
“EU”: (Secando o suor do rosto) Vou cometer um assassinato... Isso é premeditado. Querem me prender? (Oferecendo suas mãos) Prendam-me! Mas prendam-me não por matar, mas por deixar ele viver. Porque enquanto ele viver, eu não posso fazê-lo. E esta cova é para o meu defunto. Ela precisa ficar bem funda. Quanto mais funda, menor a chance dele voltar. (Voltando a cavar) O Velho-Homem precisa morrer, ser sepultado. Eu não tenho mais prazer nas coisas do passado. (Largando a pá) Acho que agora está bom. (Apanha novamente a pá. Como um perfeccionista dá mais um retoque no buraco.) Agora sim! (Para alguém de fora) Velho-Homem, vem cá!
VELHO-HOMEM: (De fora) O que foi?
“EU”: Preciso lhe falar. (Preparando uma tocaia, esconde a pá atrás das costas)
VELHO-HOMEM: O que foi, amo?
“EU”: Fique quietinho! Vai doer mais em você do que em mim. (Percebendo o deslize) Digo... Digo... Vai doer mais em mim do que em você. Acho que vai doer só em você. Ah, eu tô nervoso.
VELHO-HOMEM: (Ingênuo) O que você está escondendo?
“EU”: Vou ter que cometer um assassinato.
VELHO-HOMEM: (Tentando perceber se não há ninguém ouvindo. Em tom de cochicho) Fala baixo, chefe! Podemos ir para o xilindró. Mas, cá entre nós, quem será nossa vítima? Se precisar de uma força...
“EU”: Acho que não vai dar.
VELHO-HOMEM: (Passando o braço pelo ombro de “EU”) Saiba que eu serei fiel até a morte. Quando morrermos, quero ser enterrado na mesma cova.
“EU”: (Afastando-se do Velho-Homem) É você!
VELHO-HOMEM: Sou eu o quê?
“EU”: É você.
VELHO-HOMEM: Eu? (fingindo-se de vítima) O que foi que eu fiz?
“EU”: Você vem com essa conversa de “amo” pra cá, “senhor” pra lá. Mas o que você quer mesmo é me confundir. Não sou quem tem domínio sobre você. Mas você vem com esse seu jeito e me domina. Eu me iludo pensando que sou o senhor da situação, quando estou sendo vítima de minha própria ignorância. (Calado, volta a fazer a cova)
VELHO-HOMEM: Eu não quero morrer. Eu nasci com você. Vamos morrer juntos.
“EU”: Eu não quero mais isso para minha vida. Por que é que eu tenho que ficar desenterrando coisas.
VELHO-HOMEM: É... é melhor jogar essa pá fora. (Tentando apanhar a pá) Vamos colocar uma pedra nesse assunto. Talvez umas pás de terra. E eu ajudo.
“EU”: (Tomado a pá que já estava nas mãos de Velho-Homem) Eu estou decidido a te enterrar. Não quero mais saber da velha vida. Eu aceitei Jesus a mais de dez anos.
VELHO-HOMEM: Ah! Bem que eu senti que tinha caroço nesse angu. Então esse Jesus está querendo interferir em nossa velha amizade.
“EU”: Ele me deu nova vida. Eu não posso viver do passado. Parece que nunca me converti. (Secando o suor do rosto) Eu vou cavar bem fundo. Eu vou te enterrar. Não quero mais saber de você.
VELHO-HOMEM: Eu não quero morrer. Eu sou tão novo.
“EU”: Você é velho. É acabado! Deixá-lo vivo parece não fazer mal. Que você é inofensivo. Mas é uma mentira. O Velho-Homem precisa morrer, para que EU possa viver.
VELHO-HOMEM: Você está traindo nossa amizade. Eu sei... você só quer saber do Novo-Homem.
“EU”: Eu não posso ter pena de você, Velho-Homem. Eu tenho que pensar que as coisas da velha vida já não me interessam mais.
VELHO-HOMEM: Você diz isso da boca para fora, seu coração diz o contrário.
“EU”: Quando eu era dominado por você eu mentia. Eu não quero mentir mais.
VELHO-HOMEM: Ontem mesmo você mentiu. Além do mais, mentir não é tão mau assim. Às vezes precisamos mentir para nos safar de alguma situação.
“EU”: O diabo é o pai da mentira. Eu não quero mais as coisas do diabo.
VELHO-HOMEM: Você nunca foi santo.
“EU”: Mas eu posso tomar uma atitude a partir de hoje. Posso buscar uma vida de santidade. Quero recuperar os dez anos perdidos.
VELHO-HOMEM: Você não vai aguentar sem a vida daqui.
“EU”: Mas tenho que tentar.
VELHO-HOMEM: Duvido que consiga.
“EU”: Não vou saber se não tentar.
VELHO-HOMEM: A vida daqui é melhor.
“EU”: Isso é que muitos pensam, porque não conhecem o prazer de levar uma vida de santidade.
VELHO-HOMEM: Você não sabe o que é uma vida de santidade.
“EU”: Eu ainda não conheço. Mas quando estiver lá, tenho certeza que não vou querer voltar.
VELHO-HOMEM: Eu fico triste.
“EU”: E eu não tenho pena de você.
VELHO-HOMEM: (Quase em choro) Nós éramos sócios e...
“EU”: (Interrompe) Isso era o que você queria que eu pensasse. Você sempre foi o sócio majoritário de minha vida. Praticamente eu não tinha escolha. Eu só queria satisfazer a minha carne. Minha vida espiritual teve a falência decretada.
VELHO-HOMEM: Você só me culpa, como se não tivesse gostado da vida que tivemos juntos. Esqueceu-se de nossas noitadas, nossas bebedeiras, nossas mulheres. Como você é um ingrato!
“EU”: Reconheço que sou mesmo um ingrato.
VELHO-HOMEM: Estou vendo que você está começando a cair na real.
“EU”: E eu já devia ter feito isso há muito tempo.
VELHO-HOMEM: Vamos ter que fechar aquela cova. Se chover junta água, vira criadouro do mosquito da dengue.
“EU”: (Não dando atenção ao que o Velho-Homem diz) Sou um ingrato com Deus. Espero que Ele tenha misericórdia da minha vida.
VELHO-HOMEM: Você não vai conseguir viver sem essa vida.
“EU”: Eu sei que não será fácil. Mas preciso tentar. Eu não estarei sozinho, poderei pedir ajuda a Jesus.
VELHO-HOMEM: Você quer ter uma vida igual a daqueles fanáticos. Eu não consigo desvincular daquela imagem do homem de terno e uma Bíblia de capa preta debaixo do braço.
“EU”: Quem dera eu fosse como um deles! Eu quero ter uma vida que agrade a Deus. Chega de satisfazer somente a minha carne.
VELHO-HOMEM: Você não vai conseguir.
“EU”: Você já disse isso. E eu vou conseguir. Preciso tentar.
VELHO-HOMEM: Você não vai me matar.
“EU”: E por que não?
VELHO-HOMEM: Eu sou imortal.
“EU”: (Voltando a cavar) Eu vou te enterrar, nem que seja vivo.
VELHO-HOMEM: Cadê teu espírito cristão? Matar um outro ser. Que desumano!
“EU”: Você nem um ser não é. Você só existe ainda porque no meu coração eu não dei todo espaço a Jesus.
VELHO-HOMEM: (Ajoelhando-se) Por favor, não em mate! Prometo me comportar. Eu não vou interferir mais na sua vida. Se eu não me comportar, aí sim, você me mata.
“EU”: Mas eu preciso te matar. Preciso te matar. Você tem que morrer para que EU possa viver.
VELHO-HOMEM: Me dá uma chance!
“EU”: Não posso.
VELHO-HOMEM: Eu preciso de uma chance.
“EU”: Deixo-te viver com uma condição.
VELHO-HOMEM: Que condição?
“EU”: Você terá que ficar deitado nessa cova. Sem se mexer.
VELHO-HOMEM: Sem me mexer?
“EU”: E aí? Topa ou não topa?
VELHO-HOMEM: Não tem outra opção?
“EU”: Não.
VELHO-HOMEM: O que fazer! Preciso viver. (Deitando-se na cova) Até que ela é meio... confortável.
(“EU” apanha a pá para fazer o enterro)
VELHO-HOMEM: (Levantando-se em um salto) O que vai fazer?
“EU”: Lançar pelo menos umas pás de terra.
VELHO-HOMEM: Hei! Tá querendo me enterrar vivo?
“EU”: Só umas pás de terra.
VELHO-HOMEM: Não. De jeito nenhum. Vai que você se empolga e me (passando o dedo pela garganta, como que indicando decapitação).
“EU”: Tudo bem! (Largando a pá) Eu volto outra hora te enterrar. Fica quietinho aí!
(Velho-Homem deita-se na cova.)
VELHO-HOMEM: Tudo Bem!
(“EU” se encaminha até a saída. Velho-Homem chama-lhe atenção)
VELHO-HOMEM: Só mais uma coisa.
“EU”: O que foi?
VELHO-HOMEM: Boa Noite!
“EU”: (Em tom de cochicho) Acho que já estou arrependido.
(Sai de cena)

 

CENA II
(“EU” e entra no plano da Vida Nova. Novo-Homem já está em cena)
“EU”: Olá Novo-Homem, como vai?
NOVO-HOMEM: Não muito bem.
“EU”: O que foi?
NOVO-HOMEM: Ando meio desanimado. Parece que não tenho força para viver. Acho que não vou durar muito.
“EU”: Não fala assim. Eu tive nova vida quando aceitei a Jesus. Você só tem dez anos. (Dando-lhe uma olhada) Mas tá parecendo mais de cem. Quando me batizei você era forte e vigoroso. Dava-me forças para orar, para orar por longos períodos. Eu só queria estar com os outros irmãos. Queria que todo mundo conhecesse a nova vida que Jesus tem para dar. (Suspirando) Estava vivendo o primeiro amor.
NOVO-HOMEM: (Tossindo e falando com dificuldade) Mas foi só aquele boom. Logo voltou tudo como era antes. Você nunca abandonou os prazeres pecaminosos.
“EU”: Alguns eu até abandonei.
NOVO-HOMEM: Seu erro foi não entregar sua vida cem por cento. Isso é a falha de muitos novos cristãos. Você viveu por muito tempo com uma vida dupla. Um pé na igreja e o outro no mundo.
“EU”: Foi aí que eu errei?
NOVO-HOMEM: Foi. Quando você não entregou tudo.
“EU”: Mas eu entreguei.
NOVO-HOMEM: Sim, entregou.
“EU”: E?
NOVO-HOMEM: Você entregou, mas vive pegando de novo aquilo que já havia deixado aos pés do Senhor. Dessa forma você nunca poderá ter uma vida espiritual saudável.
“EU”: Mas eu acho que muitas coisas da minha vida velha não atrapalham minha caminhada cristã.
NOVO-HOMEM: Você já conversou com o Espírito Santo sobre isso?
“EU”: Já.
NOVO-HOMEM: E a resposta?
“EU”: Não sei.
NOVO-HOMEM: Como assim?
“EU”: Não sei. Acho que Ele não me respondeu.
NOVO-HOMEM: Mais uma falha.
“EU”: Diga aí, mais uma para a minha coleção.
NOVO-HOMEM: Muitos fazem perguntas a Deus, mas quando Ele responde já nem estão prestando atenção. Até preferem para que não precisem obedecer.
“EU”: Mas é difícil eu largar tudo de uma hora para a outra.
NOVO-HOMEM: Ninguém disse que isso seria fácil. Só que dez anos não é de uma hora para a outra. Só que se você nunca começar, jamais conseguirá. Você, por acaso, tem consciência do que aquilo que faz é errado?
“EU”: Alguma coisa me diz que sim, mas eu acho que é a minha consciência.
NOVO-HOMEM: Você precisa reconhecer que aquilo que você faz é errado, só aí o Espírito Santo poderá agir.
“EU”: É! Eu me sinto tão mau depois que minto, brigo com o meu velho. Mas meu pai... ninguém merece. Às vezes quando brigo com meu próximo, ou assisto uma o outra cena mais picante na TV...
NOVO-HOMEM: É o Espírito Santo fazendo você enxergar que isso não condiz com a vida de um cristão. Isso são coisas que dão mais forças ao Velho-Homem.
“EU”: Velho-Homem? Ele já não é mais problema. Eu o enterrei. Agora ele não tem mais influência sobre a minha vida.
VELHO-HOMEM: (De fora) Alguém me chamou?
(Entra Velho-Homem. Ele Demonstra bastante vigor.)
SONOPLASTIA: Música tema do filme Rocky.
(Velho-Homem se exibe. Faz exercícios, imita lutador de boxe.)
“EU”: Uau! Você está mesmo em forma.
VELHO-HOMEM: (Imitando He-Man) Eu tenho a força!
NOVO-HOMEM: Você está mais para Jovem-Homem. (Para “EU”) Dá-se para perceber quem está sendo mais alimentado. Se você não me dá atenção, eu fico jogado de lado, cada vez mais feio e fraco. Sem vigor. E veja só como ele está!
VELHO-HOMEM: Não seja chorão. Eu mantenho meu corpinho com uma dieta balanceada, aliada a muito exercício.
“EU”: Por Favor, não briguem! Eu posso muito bem ser amigo de vocês dois.
NOVO-HOMEM: Não dá.
VELHO-HOMEM: Egoísta (infantil, mostra a língua ao Novo-Homem)
NOVO-HOMEM: Nós somos opostos. Não podemos conviver juntos. Para que o Novo-Homem possa acontecer, o Velho-Homem precisa morrer.
VELHO-HOMEM: Lá vem você com esse papo de novo. (Para “EU”, puxando-o pelo braço) Vamos embora! Acho melhor deixar tudo como está.
NOVO-HOMEM: (Pegando no outro braço de “EU”) Não vá! Venha comigo.
VELHO-HOMEM: Eu não exijo nada. Deixa tudo como tá. Tudo como tá, tá muito bom! É até mais fácil – basta não fazer nada. E isso é fácil!
NOVO-HOMEM: (Para o Velho-Homem) Você sabe que não é bem assim. Você tem para oferecer uma vida que não agrada a Deus.
VELHO-HOMEM: Se liga! Deus quer que as pessoas sejam felizes. Não importa o que ela faça para conseguir isso. Basta que não prejudique ninguém.
NOVO-HOMEM: Deus realmente quer que as pessoas sejam felizes. Mas ele não quer somente uma alegria passageira. Ele quer que as pessoas tenham uma alegria agora e eterna.
VELHO-HOMEM: Ter uma vida cristã é sem graça e sem prazeres.
NOVO-HOMEM: Quem afirma isso é porque nunca provou o amor de Jesus.
“EU”: Não dá para conciliar as duas vidas? De segunda a sábado eu me dedico a velha vida, já no domingo é só para a nova. Afinal, o domingo é o dia do Senhor.
VELHO-HOMEM: Novo-Homem, você é um egoísta. Você quer ser o único a viver. Eu não sou como você. Eu poderia muito bem conviver pacificamente com você. Posso fazer parte da mesma sociedade.
NOVO-HOMEM: É impossível viver uma nova vida se você estiver com um pé na velha vida. O momento é de transformação. (Para “EU”) Você tem uma atitude morna. É uma atitude totalmente condenável por Jesus.
“EU”: Mas eu não tenho feito mal a ninguém. Tenho meus pecados, sim, mas não interferem na vida de ninguém.
VELHO-HOMEM: (Fazendo pirraça) Irra!
NOVO-HOMEM: Mas tem feito pior.
“EU”: Que?
NOVO-HOMEM: Você tem feito mal a tua própria vida.
“EU”: É. Eu tenho sentido isso. Sinto que a velha vida não é para mim.
VELHO-HOMEM: Não fala assim! Você me magoa.
NOVO-HOMEM: Não está na hora de você tomar uma atitude?
“EU”: (Para o Novo-Homem) Vou tomar! Traga a anestesia.
VELHO-HOMEM: Não falem em código. Vocês estão me metendo medo.
(Novo-Homem sai de cena. Reaparece na Velha Vida em busca da pá.)
VELHO-HOMEM: Não dá mais!
“EU”: Eu é que digo isso!
(Novo-Homem volta com a pá.)
(Velho-Homem vai para cima do Novo-Homem para agredi-lo, tenta sufocá-lo. Ele dá a impressão de que não vai parar enquanto não conseguir seu intento.)
“EU”: Parem! Parem de brigar! (Apanha a pá) Eu não queria que tudo acabasse assim. Mas tenho que tomar uma decisão.
(“EU” dá uma pancada com a pá na altura do pescoço do Velho-Homem.)
VELHO-HOMEM: (Olhando para “EU”) Você teve coragem?
(Velho-Homem cai no chão desacordado.)
“EU”: Será que ele morreu?
NOVO-HOMEM: Acho que não. Mas vamos levá-lo para a cova.
(Os dois erguem o Velho-Homem e carregam-no para a Velha Vida. Depositam-no na cova. Cobrem-no com uma lona preta.)
(Os dois voltam para a Nova Vida.)
“EU”: Eu precisava tomar essa atitude.
NOVO-HOMEM: O Velho-Homem sempre tentou te dominar. Agora você deve deixar de alimentar o Velho-Homem. Ele vai acabar morrendo de fome, frio, sede. Passe a viver para Cristo.
“EU”: Foi isso que sonhei desde que me converti.
NOVO-HOMEM: Agora você, realmente, vai viver uma nova vida.
(Cortina.)
FIM

Diversos: